Últimas publicações

Estudos e textos.

Uma igreja velha! Quero uma igreja velha!

UMA IGREJA VELHA! QUERO UMA IGREJA VELHA!

“Intolerâncias” é o título de artigo de Mauro Santayana, no “Jornal do Brasil”, de 12 de outubro. Começa assim: “Um fiel ‘desequilibrado’ da Assembléia de Deus apedrejou a imagem de Nossa Senhora, durante a procissão do Círio de Nazaré, em Belém. O ‘bispo’ da Igreja Universal do Reino de Deus, Sérgio Von Helder, esmurrou e chutou a imagem de Nossa Senhora Aparecida, em programa de televisão visto por milhões de pessoas, faz dez anos hoje – e não era desequilibrado”.
Santayana segue: “Há mais ou menos um mês, outro ‘desequilibrado’ matou, a enxadadas, seus velhos patrões, um casal de japoneses, em chácara de Brasília. De acordo com as testemunhas, o assassino, convertido há alguns meses à mesma Igreja Universal, sentiu-se incumbido, pelo pastor, de ‘retirar os demônios’ do corpo dos anciãos.
Atemorizados, os patrões o despediram. Matou primeiro a patroa, e depois o patrão, a pedradas e a enxadadas, gritando que o fazia ‘em nome do Senhor’. A Polícia fechou a igreja local”.
Não me direciono, aqui, contra a Universal. Creio serem coincidências os episódios em que ela é citada. A questão é outra. No passado, éramos chamados de “crentes” e éramos respeitados. Eu tinha 16 anos, trabalhava num escritório, na 7 de Setembro, no Rio. Numa noite, roubaram o cofre da empresa. A polícia veio investigar. Fim do expediente, eu precisava sair porque estudava. Um policial disse: “Deixa o menino ir. Ele é crente e crente não faz isso”.
Não era eu, como pessoa. Eram os crentes. Acima de suspeita. Depois viramos “evangélicos”. Alguns são “gospel”. Ora, vão para os Estados Unidos! Mas quando éramos respeitados, o caráter era trabalhado em nossas igrejas.
A ênfase mudou. Passou a ser o poder espiritual. Daí para o poder material e político foi um passo, porque não era o quebrantamento espiritual, mas poder espiritual para dominar. Nesta busca de poder, o que nos limitava foi posto de lado, pouco a pouco, a Bíblia. Porque ela estabelece padrões e limites.
Foi substituída por uma enxurrada de revelações, de profecias, de era do Espírito, onde líderes nem sempre sensatos fogem ao controle das Escrituras e ditam sua visão pessoal como palavra divina. O senso crítico se esvaiu. De pastor passou-se a bispo. De bispo a primaz. De primaz a apóstolo. De apóstolo a pai apóstolo. Uma megalomania que evidencia desequilíbrio gravíssimo. Como há desequilibrados em nossas igrejas! O evangelho produz saúde, não doença! Quem chama à sanidade espiritual emocional é frio, ressentido porque o rebanho não cresce.
A ética cedeu à celebração. Vale mais o culto festivo que o culto reflexivo, de análise da vida diante de Deus, de conserto, de afirmação de valores.
O narcisismo é chocante. Pasmei num congresso em que preguei. Um típico programa de auditório: música pauleira e manipulação. A entrada do cantor em palco foi doentia. Luzes apagadas, rufar de instrumentos, luzes sobre ele, de cabeça baixa, até levantá-la em ar triunfal. E a gritaria. Senti-me fisicamente mal. E envergonhado. Não foi isso que
aprendi na Bíblia.
A Convenção Batista Brasileira, em excelente documento, pede um Brasil novo, à luz dos gravíssimos casos de corrupção no país. Mas junto com o Brasil novo precisamos clamar por “uma igreja velha”. Uma igreja velha, sim.
Uma igreja antiga. Uma igreja em que a Bíblia seja pregada, em que a crença no poder do Espírito para fazer a obra crescer nos leve a prescindir de atos desonestos, de manipulações e de extorsão na contribuição.
Uma igreja velha em que evangelizemos, e não agridamos. Em que aceitemos o crescimento dado pelo Espírito, e não o de “marketing”. Uma igreja velha, onde caráter seja mais importante que os nomes de figurões usados para adornar a igreja.
Uma igreja velha em que o evangelho não ceda lugar à convivência amiga, sem contestações e sem exigências, “porque precisamos atrair as pessoas”. Uma igreja velha que pregue Jesus e não política.
E que não chame de “alienados” os que pregam que “Jesus salva” e que só Jesus pode mudar o mundo. Que minha igreja, que aprendi a amar, seja uma igreja velha. Cheia de “crentes” e não de “gospéis” (céus!).
Se ela não quiser, este pastor maduro, que se sente “velho”, terá que buscar uma “igreja velha”. Mas está tão difícil achar crentes “velhos” e “igrejas velhas”!

Isaltino Gomes Coelho Filho

O nome Talita

O NOME “TALITA”

Mateus 9:23-26

23 Quando Jesus chegou à casa daquele chefe, e viu os tocadores de flauta e a multidão em alvoroço,
24 disse; Retirai-vos; porque a menina não está morta, mas dorme. E riam-se dele.
25 Tendo-se feito sair o povo, entrou Jesus, tomou a menina pela mão, e ela se levantou.
26 E espalhou-se a notícia disso por toda aquela terra.

Marcos 5:35-43

35 Enquanto ele ainda falava, chegaram pessoas da casa do chefe da sinagoga, a quem disseram: A tua filha já morreu; por que ainda incomodas o Mestre?
36 O que percebendo Jesus, disse ao chefe da sinagoga: Não temas, crê somente.
37 E não permitiu que ninguém o acompanhasse, senão Pedro, Tiago, e João, irmão de Tiago.
38 Quando chegaram a casa do chefe da sinagoga, viu Jesus um alvoroço, e os que choravam e faziam grande pranto.
39 E, entrando, disse-lhes: Por que fazeis alvoroço e chorais? a menina não morreu, mas dorme.
40 E riam-se dele; porém ele, tendo feito sair a todos, tomou consigo o pai e a mãe da menina, e os que com ele vieram, e entrou onde a menina estava.
41 E, tomando a mão da menina, disse-lhe: Talita cumi, que, traduzido, é: Menina, a ti te digo, levanta-te.
42 Imediatamente a menina se levantou, e pôs-se

a andar, pois tinha doze anos. E logo foram tomados de grande espanto.
43 Então ordenou-lhes expressamente que ninguém o soubesse; e mandou que lhe dessem de comer.

Lucas 8:41-42

41 E eis que veio um homem chamado Jairo, que era chefe da sinagoga; e prostrando-se aos pés de Jesus, rogava-lhe que fosse a sua casa;
42 porque tinha uma filha única, de cerca de doze anos, que estava à morte. Enquanto, pois, ele ia, apertavam-no as multidões.

Lucas 8:49-56
49 Enquanto ainda falava, veio alguém da casa do chefe da sinagoga dizendo: A tua filha já está morta; não incomodes mais o Mestre.
50 Jesus, porém, ouvindo-o, respondeu-lhe: Não temas: crê somente, e será salva.
51 Tendo chegado à casa, a ninguém deixou entrar com ele, senão a Pedro, João, Tiago, e o pai e a mãe da menina.
52 E todos choravam e pranteavam; ele, porém, disse: Não choreis; ela não está morta, mas dorme.
53 E riam-se dele, sabendo que ela estava morta.
54 Então ele, tomando-lhe a mão, exclamou: Menina, levanta-te.
55 E o seu espírito voltou, e ela se levantou imediatamente; e Jesus mandou que lhe desse de comer.
56 E seus pais ficaram maravilhados; e ele mandou-lhes que a ninguém contassem o que havia sucedido.

Augusto Bello de Souza Filho
Bel em Teologia

Quem foi José do Egito?

Quem foi José do Egito?

José do Egito, como ficou conhecido é o penúltimo dos filhos de Jacó, neto de Isaque e bisneto de Abraão e Sara.

Assim, José é hebreu. Sua mãe se chamava Raquel. Quando e nasceu seu pai (Jacó) trabalhava para o seu tio (tio de Jacó) chamado Labão. Jacó foi para as terras de seu tio fugindo da ira de Esaú que queria matá-lo porque havia recebido a bênção de seu pai Isaque, enganando o velho se fazendo passar por Esaú. Por isso fugiu e foi morar com Labão, que era irmão de sua mãe que se chamava Rebeca. Lá, Jaco se apaixonou pela prima chamada Lea, mas na noite de núpcias Labão entregou a Jacó para desposar a filha mais velha, porque era tradição casar-se primeiro a mais velha, assim Jaco foi enganado e dormiu com a mulher errada, quando descobriu tudo, era marido de Raquel que deu à luz mais tarde a José. Jacó havia trabalhado sete anos para adquirir o direito de desposar Léa. Labão não deixou por menos. Para ele ter o amor de sua vida – Lea, teve que trabalhar mais sete anos.

Jacó enquanto esteve com seu tio Labão, teve filhos com Raquel, com Lea e com as duas empregadas de suas mulheres, com a anuência destas, no total de sete. Vamos parar com a história do pai e voltar para a do filho.

Jacó era louco por este filho que era o mais novo. Quando já era um jovem, José sonhou que seus 10 irmãos tinham feixes de lenha sobre as suas cabeças e todos feixes se inclinavam diante de seu feixe. Este sonho deixou os seus irmãos perturbados e morrendo de raiva de José, porque perceberam que José estava dizendo que eles todos se inclinariam perante ele (José). Depois de José, Raquel deu a luz a mais um filho de Jacó, que se chamou de Benjamim.

José com dezessete anos costuma espionar os seus irmãos mais velhos e trazia notícias para seu pai, veja:

Gênesis 17:2

“Estas são as gerações de Jacó. José, aos dezessete anos de idade, estava com seus irmãos apascentando os rebanhos; sendo ainda jovem, andava com os filhos de Bila, e com os filhos de Zilpa, mulheres de seu pai; e José trazia a seu pai más notícias a respeito deles.”

José, era o filho que Jacó mais amava, veja:

Gênesis 17:3

“Israel amava mais a José do que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica de várias cores.”

Por causa dos relatos de José e seus sonhos os irmãos o odiavam mais e mais, veja:

Gênesis 17:5

“José teve um sonho, que contou a seus irmãos; por isso o odiaram ainda mais.”

José sonhava muito, veja:

Gênesis 17:9

“Teve José outro sonho, e o contou a seus irmãos, dizendo: Tive ainda outro sonho; e eis que o sol, e a lua, e onze estrelas se inclinavam perante mim.”

Assim, Jacó pediu que José fosse ver como estavam seus irmãos, e estes se aproveitaram quando José apareceu, para descarregarem o seu ódio contra ele (José). Tomaram a túnica que seu pai costurou e queriam matá-lo mais um de seus irmãos não o permitiu e deixou que jogassem ele em um poço profundo para morrer, veja:

Gênesis 37:28

“Ao passarem os negociantes midianitas, tiraram José, alçando-o da cova, e venderam-no por vinte siclos de prata aos ismaelitas, os quais o levaram para o Egito.”

No Egito José foi vendido a Potifar, veja:

Gênesis 37:36

“Os midianitas venderam José no Egito a Potifar, oficial de Faraó, capitão da guarda.”

Gênesis 39:1

“José foi levado ao Egito; e Potifar, oficial de Faraó, capitão da guarda, egípcio, comprou-o da mão dos ismaelitas que o haviam levado para lá.”

Lá no Egito ia tudo bem e tudo que José fazia dava certo e Potifar o colocou como mordomo de sua casa.

Gênesis 39:5

“Desde que o pôs como mordomo sobre a sua casa e sobre todos os seus bens, o Senhor abençoou a casa do egípcio por amor de José; e a bênção do Senhor estava sobre tudo o que tinha, tanto na casa como no campo.”

José era bonito e tinha o corpo bem feito, veja:

“Potifar deixou tudo na mão de José, de maneira que nada sabia do que estava com ele, a não ser do pão que comia. Ora, José era formoso de porte e de semblante.”

A mulher de Potifar se apaixonou por José e queria que ele fosse para a cama com ela, veja:

Gênesis 39:7

“E aconteceu depois destas coisas que a mulher do seu senhor pôs os olhos em José, e lhe disse: Deita-te comigo.”

Ela assediava José constantemente, mas José se recusava, veja:

Gênesis 39:10

“Entretanto, ela instava com José dia após dia; ele, porém, não lhe dava ouvidos, para se deitar com ela, ou estar com ela.”

Quando ela viu que José não iria para a cama satisfazê-la, armou um escândalo para que todos imaginassem que José havia tentado possuí-la à força, tendo deixando com ela a sua capa, veja no relato de Gênesis 39:11-23.
No Capítulo 40 de Gênesis do versículo 1 a 23, continua a história de José na prisão. O Rei manda tirar José da prisão, conta-lhe sonhos que José interpreta. José é constituído Governador sobre o Egito, acima da autoridade de José estava somente o Rei.
José se casa e nasce filhos, leia no capítulo 41.
Depois há realmente uma grande fome no mundo de então e a família de José (seus irmãos) aparecem no Egito e José os reconhece. José, manda que seus irmãos tragam seu irmão mais novo. Benjamim, vai ao Egito e Jacó diz que se algo acontecer a Benjamim, tal qual a José ele morrerá de desgosto e tristeza, mas acaba deixando que Benjamim vá ao Egito com os seus meio irmãos, lei no capítulo 42.
A história continua no Capítulo 43, 44.

No capítulo a seguir, José se revela a seus irmãos e chora copiosamente. No final do Capítulo seu pai se alegra muito e deseja vê-lo antes que morra, veja no capítulo 45.

No capítulo 46, Jacó desce para o Egito e Deus lhe fala para não temer. José ensina a seus irmãos como devem falar ao Faraó, veja no capítulo 46.
José, fala ao Faraó sobre sua família no próximo capítulo e ao final do capítulo, Jacó pede a Jose sob juramento que após sua morte seus ossos sejam levados para Canaã e seja sepultado junto às sepulturas de Isaque e Rebeca, veja, no capítulo 47.
No próximo capítulo José leva seus filhos para o seu pai abençoar, veja no capítulo 48.
No próximo capítulo o pai de José abençoa os seus filhos e morre, leia no capítulo 49.

José, pede ao Faraó que o deixe ir enterrar seu pai no local em que Jacó pediu. No final do capítulo José morre também, aos 110 anos de idade, leia no capítulo 50.
GÊNESIS 50

1 Então José se lançou sobre o rosto de seu pai, chorou sobre ele e o beijou.

2 E José ordenou a seus servos, os médicos, que embalsamassem a seu pai; e os médicos embalsamaram a Israel.

3 Cumpriram-se-lhe quarenta dias, porque assim se cumprem os dias de embalsamação; e os egípcios o choraram setenta dias.

4 Passados, pois, os dias de seu choro, disse José à casa de Faraó: Se
agora tenho achado graça aos vossos olhos, rogo-vos que faleis aos ouvidos de Faraó, dizendo:

5 Meu pai me fez jurar, dizendo: Eis que eu morro; em meu sepulcro, que cavei para mim na terra de Canaã, ali me sepultarás. Agora, pois, deixa-me subir, peço-te, e sepultar meu pai; então voltarei.

6 Respondeu Faraó: Sobe, e sepulta teu pai, como ele te fez jurar.

7 Subiu, pois, José para sepultar a seu pai; e com ele subiram todos os servos de Faraó, os anciãos da sua casa, e todos os anciãos da terra do Egito,
8 como também toda a casa de José, e seus irmãos, e a casa de seu pai; somente deixaram na terra de Gósen os seus pequeninos, os seus rebanhos e o seu gado.

9 E subiram com ele tanto carros como gente a cavalo; de modo que o concurso foi mui grande.

10 Chegando eles à eira de Atade, que está além do Jordão, fizeram ali um grande e forte pranto; assim fez José por seu pai um grande pranto por sete dias.

11 Os moradores da terra, os cananeus, vendo o pranto na eira de Atade, disseram: Grande pranto é este dos egípcios; pelo que o lugar foi chamado Abel-Mizraim, o qual está além do Jordão.

12 Assim os filhos de Jacó lhe fizeram como ele lhes ordenara;
13 pois o levaram para a terra de Canaã, e o sepultaram na cova do campo de Macpela, que Abraão tinha comprado com o campo, como propriedade de sepultura, a Efrom, o heteu, em frente de Manre.
14 Depois de haver sepultado seu pai, José voltou para o Egito, ele, seus irmãos, e todos os que com ele haviam subido para sepultar seu pai.

15 Vendo os irmãos de José que seu pai estava morto, disseram:
Porventura José nos odiará e nos retribuirá todo o mal que lhe fizemos.

16 Então mandaram dizer a José: Teu pai, antes da sua morte, nos ordenou:

17 Assim direis a José: Perdoa a transgressão de teus irmãos, e o seu pecado, porque te fizeram mal. Agora, pois, rogamos-te que perdoes a transgressão dos servos do Deus de teu pai. E José chorou quando eles lhe falavam.

18 Depois vieram também seus irmãos, prostraram-se diante dele e disseram: Eis que nós somos teus servos.

19 Respondeu-lhes José: Não temais; acaso estou eu em lugar de Deus?

20 Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim; Deus, porém, o intentou para o bem, para fazer o que se vê neste dia, isto é, conservar muita gente com vida.

21 Agora, pois, não temais; eu vos sustentarei, a vós e a vossos filhinhos. Assim ele os consolou, e lhes falou ao coração.

22 José, pois, habitou no Egito, ele e a casa de seu pai; e viveu cento e dez anos.

23 E viu José os filhos de Efraim, da terceira geração; também os filhos de Maquir, filho de Manassés, nasceram sobre os joelhos de José.
24 Depois disse José a seus irmãos: Eu morro; mas Deus certamente vos visitará, e vos fará subir desta terra para a terra que jurou a Abraão, a Isaque e a Jacó.

25 E José fez jurar os filhos de Israel, dizendo: Certamente Deus vos visitará, e fareis transportar daqui os meus ossos.

26 Assim morreu José, tendo cento e dez anos de idade; e o embalsamaram e o puseram num caixão no Egito.

Esta é a biografia de José, uma das maiores dentre os personagens da Bíblia.

Augusto Bello de Souza Filho
Bel. Em Teologia – Brasília (DF)
(Textos da versão de João Ferreira de Almeida Atualizada)