Archive maio 2018

Os livros apócrifos do Antigo Testamento

OS LIVROS APÓCRIFOS DO ANTIGO TESTAMENTO

SIGNIFICADO: A palavra apócrifo significa obra ou fato sem autenticidade ou cuja autenticidade não se provou. E, também “oculto”. Isto quer dizer que estes livros não eram acessíveis a todos. Hoje são considerados não autênticos. Não são livros canônicos, mas úteis para estudo e até mesmo para edificação conforme foram considerados no início.

LOCALIZAÇÃO HISTÓRICA: Foram produzidos entre o 3o e 1o século AC, com o cânon já definido. Em grego, menos Eclesiástico, Tobias e I Macabeus. A cultura gentia os assimilou (o cânon de Alexandria). O historiador Josefo, os judeus e a Igreja cristã rejeitaram.

A LXX (Septuaginta) os incluiu como adendo (seguindo o cânon alexandrino). No Concílio de Cártago, em 397 DC: foram considerados próprios para a leitura. O Concílio Geral de Calcedônia, 451 DC, os negou. Foram colocados no cânon em 08.04.1546, numa sessão com 5 cardeais e 48 bispos, apenas, e não foi por unanimidade. Em 1827, a Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira os excluiu da Bíblia (não editando nem mesmo como adendo). Desde então esta é a postura protestante.

HISTÓRICO DO CÂNON: Em 170, o bispo Melito faz a primeira tentativa de um cânon. Omite Ester, Lamentações (talvez fosse um livro com Jeremias) e Neemias (que era um livro com Esdras). Acrescentou Sabedoria de Salomão. Orígenes (morto em 254): aceitou o testemunho de Josefo (Archer, 74) mas incluiu a Epístola de Jeremias (que foi escrita em hebraico). O que temos como cânon do Velho Testamento foi aceito por longo tempo pela cristandade como um todo. A Bíblia protestante segue exatamente o cânon judaico. Não é a Bíblia protestante que tem livros a menos. A Bíblia católica é que tem livros a mais. Foi a Igreja Católica quem os acrescentou.

A BÍBLIA CATÓLICA: Seguindo a Vulgata que traduziu da LXX (Septuaginta), o cânon católico incorporou os apócrifos após a Reforma. Quando a Vulgata os inseriu, distinguiu-os dos outros, que chamou de canônicos. Aos apócrifos chamou de eclesiásticos. Ao todo são 12 livros ou enxertos:

VULGATA: Contém os livros de I Esdras, II Esdras, Tobias, Judite, Adição a Ester (do capítulo 10:4 ao capítulo 16), Sabedoria, Eclesiástico, Baruc, Adições a Daniel (chamado de apêncice, os capítulos 12 e 13, contendo a História de Susana, História de Bel, Daniel Matando o Dragão, Daniel novamente no Lago dos Leões e o Rei dando Glória ao Senhor), Oração de Manassés, I Macabeus, II Macabeus,.

BÍBLIA CATÓLICA: Pela ordem cronológica em que estão, temos: Tobias, Judite, Acréscimos a Ester, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc, Acréscimos a Daniel, I Macabeus, II Macabeus. No total de sete livros e dois acréscimos.

ALGUMAS INFORMAÇÕES

Judite foi escrito no século II a.C. é a história de uma judia que mata Holofernes. Ver a nota da BJ – Bíblia de Jerusalém, p. 725;
O Códice Vaticano, um dos manuscritos mais respeitados, não tem Macabeus;
II Macabeus 15:37 faz um discurso para justificar o suicídio;
No livro de Tobias o anjo Rafael mente e engana as pessoas;
Sabedoria foi escrito no ano 50 a.C.

RAZÕES DA REJEIÇÃO

O Velho Testamento já estava produzido;

A maioria produzida em grego;

Rejeição pelos judeus da cultura gentia;

Prevaleceu para os judeus o cânon palestiniano;

A postura protestante: a Bíblia produziu a Igreja. Postura católica: a Igreja produziu a Bíblia, e também a Tradição. Inclusive as nivela. Por isso, pode acrescentar e tirar;

Jesus não citou um deles sequer. Nem seus apóstolos. Judas cita dois pseudepígrafos, mas não parece ceder-lhes declaradamente o conceito de inspirados.

BIBLIOGRAFIA
1. Goodspeed, Como nos Veio a Bíblia, Imprensa Metodista
2. Archer, Merece Confiança o Antigo Testamento, Vida Nova
3. Rendtorff, A Formação do Antigo Testamento, Sinodal
4. Martin-Archad, Como Ler o Antigo Testamento, ASTE
5. Benttencourt, Para Entender o Antigo Testamento, Santuário
6. Castanho, Iniciação à Leitura da Bíblia, Santuário
7. Walton, Quadros Cronológicos do Velho Testamento, Batista Regular

Outras histórias do Novo Testamento

Outras histórias do Novo Testamento

Nascimento de João Batista
Lucas 1.57-66

A morte de João Batista
Mateus 14.1-12; Marcos 6.14-29

Pedro recebe as chaves do Reino
Mateus 16.13-20

A chegada do Espírito Santo em Pentecostes
Atos 2

Estevão, o primeiro mártir
Atos 6.5-15; 7.54-60

Filipe batiza um oficial etíope
Atos 8.26-39

A conversão de Paulo
Atos 9.1-31

Pedro e Cornélio
Atos 10

Pedro na prisão
Atos 12.1-19

O batismo de Lídia
Atos 16.11-15

Paulo na prisão
Atos 16.16-40

Tumulto em Éfeso
Atos 19:23-41

A viagem de Paulo a Roma
Atos 27-28

Parábolas e ensinamentos de Jesus

Parábolas e Ensinamentos de Jesus
O que é uma parábola? Uma parábola é uma história que usa situações da vida real para ensinar grandes verdades.

0 sermão do monte
Mateus 5-7; Lucas 6.20-49
As bem-aventuranças
Mateus 5.3-11; Lucas 6.20-26
0 grande mandamento
Mateus 22.37-39; Marcos 12.29-31; Lucas 10.27
A regra de ouro
Mateus 7.12; Lucas 6.31
Parábola do grão de mostarda
Mt 13.3 1-32; Marcos 4.30-32; Lucas 13.18-19
Parábola do semeador
Mateus 13.1-23; Marcos 4.1-20;Lucas 8.4-15
Parábola da semente
Marcos 4.26-29
Algumas parábolas sobre o Reino dos céus
Mateus 13.24-52
Parábola do credor incompassivo
Mateus 18.23-35
Parábola dos trabalhadores na vinha
Mateus 20.1-16
Parábola dos lavradores maus
Mateus 21.33-46; Marcos 12.1-11; Lucas 20.9-18
Parábola das bodas
Mateus 22.1-14; Lucas 14.15-24
Parábola das dez virgens
Mateus 25.1-13
Parábola dos talentos e a parábola das dez minas
Mateus 25.14-30; Lucas 19.11-27
Parábola do grande julgamento
Mateus 25.3 1-46
Parábola do bom samaritano
Lucas 10.25-37
Parábola do bom pastor
João 10.1-21
Parábola do rico insensato
Lucas 12.16-21
Parábola do servo vigilante
Lucas 12.35-48
Parábola da figueira estéri1
Lucas 13.6-9
Parábola da ovelha perdida
Lucas 15.3-7; Mateus 18.12-14
Parábola da dracma perdida
Lucas 15:8-10
Parábola do filho pródigo
Lucas 15:11-32
Parábola do administrador infiel
Lucas 16:1-13
O rico e o mendigo
Lucas 16:19-31
Parábola do juiz iníquo
Lucas 18:1-8
Parábola do fariseu e o publicano
Lucas 18:9-14

Pequeno relato dos livros

PEQUENO RELATO DOS LIVROS
________________________________________
Os 66 livros da Bíblia estão divididos em duas partes: O Antigo Testamento ou Velho Testamento com 39 livros e o Novo Testamento com 27 livros. Cerca de 40 personagens se envolveram na autoria e compilação dos livros que compõem a Bíblia Sagrada. Cada escritor manifestou seu próprio estilo e características literárias. Entretanto, há na Bíblia um só plano ou projeto, que de fato mostra a existência de um só autor divino, guiando os escritores. O Velho Testamento é dividido em cinco partes:
1. Pentateuco Livros da Lei ou Torá contêm cinco livros:
Gênesis – Como a palavra bem indica, é o livro dos princípios: do céu e da terra, das ilhas e dos mares, dos animais e do homem. Com Abraão, temos o começo de uma raça, um povo, uma revelação divina particular, e finalmente uma igreja.
Êxodo – Relata o povo de Deus escravizado no Egito e a grande libertação divina, usando a instrumentalidade de Moisés.
Levítico – Leis acerca de moralidade, limpeza, alimento, sacrifícios, etc.
Números – Relata a peregrinação de Israel, quarenta anos pelo deserto.
Deuteronômio – Repetição das leis.
2. Livros Históricos, doze livros:
Josué – Trata da conquista de Canaã. O milagre da passagem do rio Jordão, a queda das muralhas de Jericó, a vitória sobre as sete nações Cananéias, a divisão da terra prometida e, finalmente, a morte de Josué com cento e dez anos.
Juízes – Várias libertações através dos quinze juízes.
Rute – A linda história de Rute, uma ascendente de Davi e de Jesus Cristo.
I e II Samuel – Relatam a história de Samuel, da implantação da monarquia, sendo Saul o primeiro rei ungido por Samuel. Samuel como o último juiz e a história de Davi.
I e II Reis – Relatam a edificação do Templo de Jerusalém, a divisão do reino. Ministério de Elias e Eliseu. Ainda em II Reis está relatado o cativeiro do Reino do Norte pelos exércitos assírios, e do Sul com o poderio Caldeu de Nabucodonosor
I e II Crônicas – Registram os reinados de Davi, Salomão e dos reis de Judá até a época do cativeiro babilônico.
Esdras – Relata o retorno de Judá do cativeiro babilônico com Zorobabel e a reconstrução do templo de Jerusalém.
Neemias – Relata história da reedificação das muralhas de Jerusalém.
Ester – Relata a libertação dos judeus por Ester e o estabelecimento da festa de Purim.
3. Livros Poéticos, cinco livros:
Jó – Sofrimento, paciência e libertação de Jó.
Salmos – Cânticos espirituais, proclamações, poemas e orações.
Provérbios – Dissertações sobre sabedoria, temperança, justiça, etc.
Eclesiastes – Reflexões sobre a vida, deveres e obrigações perante Deus.
Cântico dos cânticos – Descreve o amor de Salomão pela jovem sulamita.
4. Profetas Maiores, cinco livros:
Isaías – Muitas profecias messiânicas, é considerado o profeta da redenção. O livro contém maldições pronunciadas sobre as nações pecadoras.
Jeremias – Tem por tema a reincidência, o cativeiro e a restauração dos judeus. Jeremias é considerado o profeta chorão.
Lamentações – Clamores de Jeremias, lamentando as aflições de Israel.
Ezequiel – Um livro que contém muitas metáforas para descrever a condição, exaltação e a glória futura do povo de Deus.
Daniel – Visões apocalípticas.
5. Profetas Menores, doze livros:
Oséias – Relata a apostasia de Israel caracterizada como adultério espiritual. Contém muitas metáforas que descrevem os pecados do povo.
Joel – Descreve o arrependimento de Judá e as bênçãos. “O dia do Senhor” é enfatizado como um dia de juízo e também de benção.
Amós – Através de visões o profeta reformador denuncia o egoísmo e o pecado.
Obadias – A condenação de Edom e a libertação de Israel.
Jonas – Relata a história de Jonas, o missionário que relutou para levar a mensagem de Deus a cidade de Nínive. O mais bem sucedido dentre os profetas. Um dos profetas que pregou o arrependimento do povo. O povo arrependeu-se e o profeta ficou triste e desejou a morte.
Miquéias – Condição moral de Israel e Judá. Também prediz o estabelecimento do reino messiânico.
Naum – A destruição de Nínive e libertação de Judá da opressão assíria.
Habacuque – O grande questionamento do profeta a Deus. Como pode Deus justo permitir que uma nação pecadora oprima Israel. Contém uma das mais belas orações da Bíblia.
Sofonias – Ameaças e visão da gloria futura de Israel.
Ageu – Repreende o povo por negligenciar a construção do segundo templo e promete a volta da gloria de Deus.
Zacarias – Através de visões, profetiza o triunfo final do reino de Deus. Ageu ajudou a animar os judeus a reconstruírem o templo. Foi contemporâneo de Ageu.
Malaquias – Descrições que mostram a necessidade de reformas antes da vinda do Messias.
O Novo Testamento também tem cinco divisões:
1. Os Evangelhos ou Biográficos:
Mateus, Marcos, Lucas e João. Manifestação do Evangelho. A questão central é a carreira terrena de Jesus Cristo, o filho de Deus.
2. Histórico: Atos dos Apóstolos.
Propagação do Evangelho. Trata dos resultados da morte e da ressurreição de Cristo, com a propagação das “Boas Novas” por impulso e liderança do Espirito Santo, começando em Jerusalém, Judéia, Samaria e até os confins da terra.
3. Epístolas Paulinas:
Romanos, I e II Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossensses, I e II Tessalonicenses, I e II Timóteo, Tito, Filemom.
4. Epístolas gerais:
Hebreus, Tiago, I e II Pedro, I, II e III João, Judas. Explicação do Evangelho. As explicações e os conselhos dados pelos apóstolos as igrejas cristãs, ainda no berço, onde são fixadas as doutrinas que devem ser cridas e vividas pelos cristãos de todos os séculos.
5. Profético:
Apocalipse – Revelação, Consumação e Juízo de Deus. Um novo Céu e uma nova Terra.
Neusa Rocha de Souza
Bel. em Teologia